Simulador compara o desempenho de aços para moldes

Gostou? compartilhe!

A empresa alemã Magmasolft, com subsidiária em São Paulo (SP), desenvolveu o software de moldagem virtual Sigmasolft que compara o desempenho de diferentes aços para moldes de injeção, levando em conta aspectos como a condutividade térmica, densidade e capacidade calorífica.

A ferramenta permite prever o comportamento de moldes após vários ciclos de produção, auxiliando na especificação da liga metálica mais apropriada de acordo com o projeto da peça em questão. Baseado em estudos sobre a previsibilidade do comportamento das ligas metálicas, o recurso pode fundamentar a especificação correta de ligas para substituir aços convencionais em insertos, gavetas e placas, promovendo uma maior vida útil de moldes e componentes. Pontos quentes podem ser eliminados, reduzindo-se tempos de produção, como ocorreu em um estudo de caso divulgado pela Magmasoft, envolvendo a usinagem de gavetas de moldes em aço convencional, com condutitivade térmica de 45 W/m2k. Embora temperatura esperada para o molde fosse de 80C, observou-se que em alguns pontos ela atingia até 147, o que demandava ciclos mais longos de resfriamento, com maiores custos de produção. A avaliação posterior à simulão resultou na especificação de um material diferente para a confecção do macho.

 

(Simulação das condições de temperatura do molde após vários ciclos de injeção: à esquerda, com aço ferramenta convencional, pontos quentes atrasam o congelamento da peça. À direita, com o aço ferramenta para trabalho a quente, eliminam-se os pontos quentes, um comportamento normalmente assoado ao uso de ligas de cobre-berílio.)

 

Foram avaliadas uma liga de cobre-berílio e um aço-ferramenta especial para trabalho a quente, ponderando-se sobretudo os aspectos condutividade térmica e resistência ao desgaste. O melhor equilíbrio entre essas duas propriedades foi apresentado pelo aço para trabalho a quente, contrariamente ao senso comum relacionado ao desempenho da ligas de cobre-berílio no quesito condutividade térmica. Com isso, foi possível alcançar uma redução de 20% do tempo de ciclo necessário para a confecção da peça, sem a necessidade de testes baseados em tentativa e erro.

O sistema conta com um biblioteca de aços e ligas metálicas para comparação de desempenho, e permite ainda a adição de outros tipos, a partir da inserção de dados constantes das fichas técnicas dos materiais, tais como densidade, condutividade térmica e capacidade calorífica.

Magna - tel. (11) 5535-1381 - www.sigmasoft.de

Fonte: http://www.arandanet.com.br/midiaonline/plastico_industrial/2014/setembro/index.html


Publicado em: 14/02/2017

Gostou? compartilhe!